Brasão da Prefeitura Municipal de Jaguaribe
Expo Jaguar 2017

INÍCIO > NOTÍCIAS > MATÉRIA

Visita Técnica a Região do Brum – Jaguaribe - CE

Os GTs de Desertificação e Revitalização do Rio Jaguaribe estiveram no Brum, município de Jaguaribe para conhecer uma área degradada que aos poucos vem sendo recuperada.

15 de abril de 2013 às 00:00

O Grupo Desertificação (GT) de Jaguaribe esteve na Região do Brum – Município de Jaguaribe – CE – na propriedade rural do Sr. Neto do Brum com o objetivo de conhecer uma área degradada e em processo de desertificação que será recuperada através de uma parceria com a FUNCEME (Fundação Cearense de Meteorologia), fazer um levantamento da vegetação da área e conhecer algumas práticas de convivência com o semiárido.

As instituições participantes foram: Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Jaguaribe, Sindicato do Produtores Rurais de Jaguaribe, Grupo Trilheiros Ambientais, Secretaria de Educação do Município, COMDEMA, ADAGRI e Secretaria de Agricultura Aquicultura e Meio Ambiente de Jaguaribe.

A vegetação da localidade é muito rala e de pequeno porte a as principais espécies encontradas foram: catingueira, jucá, velame, mofumbo, pinhão bravo, mussambê, xique-xique, pereiro preto, cuaçu, oiticica, pau mocó, canafístula, merum, carnaúba, juazeiro, mutamba, juá mirim, pau d’arco, cidreira brava, salsa, marizeira, mandacaru, angico, marmeleiro, pereiro branco e violeta.

Os animais silvestres encontrados foram: rolinha, tetéu, casaca de couro, anum branco, urubu, caboré, gavião, canário, graúna.

As tecnologias de convivência com o semiárido adotadas são: aração da terra, adubação com esterco bovino e descanso da terra por dois anos; plantio de palma forrageira para a alimentação dos rebanhos; cisterna de captação da água das chuvas para irrigar áreas de cultivo; desenvolvimento da criação de pequenos animais (abelhas); áreas degradadas foram mapeadas e identificados os processos de erosão (voçorocas) que serão feitas contenções, adubação com serrapilheira trazida de outras áreas e replantio de espécies nativas.

A área degradada está em um processo de desertificação bastante avançado com a erosão dos solos bastante pronunciada e voçorocas grandes e profundas, relevo ondulado e a camada arável do solo já não existe mais.

Sérgio Barreto – Engº Agrônomo e Ambientalista.